Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://localhost:8080/xmlui/handle/123456789/354
Título: Trabalhar na magistratura, construção da subjetividade, saúde e desenvolvimento profissional
Autor(es): Fundação Vanzolini
Palavras-chave: Organização judiciária, profissão
Magistratura, plano de carreira
Magistrado, saúde mental
Data do documento: 2015
Editor: CNJ
Citação: FUNDAÇÃO VANZOLINI (Brasil). Trabalhar na magistratura, construção da subjetividade, saúde e desenvolvimento profissional. Brasília: CNJ, 2015. 136 p. (Justiça Pesquisa).
Descrição: – Sumário – 1 Introdução – 7; 2 Apresentando as relações entre saúde mental e trabalho: contribuições da psicodinâmica do trabalho para as transformações do trabalhar – 13; 3 Aspectos metodológicos – 31; 3.1. Aspectos gerais – 31; 3.2. Método – 31; 3.2.1. Análise documental – 32; 3.2.2. Entrevistas – 33; 3.2.3. Ação em Psicodinâmica do Trabalho – 34; 3.3. Quadro síntese das etapas desenvolvidas – 38; 4 Resultados – 39; 4.1. Caracterização do Sistema Judiciário Brasileiro: aspectos gerais – 39; 4.2. A institucionalização da carreira de Juiz de Direito no Brasil: uma história ainda por contar – 43; 4.3. Aspectos da carreira dos Magistrados – 53; 4.4. Reforma do judiciário e organização do trabalho – 55; 4.5. A magistratura depois das reformas – 58; 4.6. Ambiguidades do ofício: servidor público cumpridor de metas ou construtor da cidadania? – 60; 4.7. Aspectos sociais e demográficos da magistratura no Brasil – 60; 4.8. Resultados da ação em Psicodinâmica do Trabalho e das entrevistas – 61; 4.8.1. Justiça comum – 61; 4.8.2. Justiça do Trabalho – 79; 4.8.3. Justiça Federal – resultados de entrevistas – 101; 5 Síntese dos temas – 107; 6 Discussão – psicodinâmica do trabalhar na magistratura – 115; 7 Conclusão – 127; Referências bibliográficas e bibliografia consultada – 129.
URI: http://localhost:8080/xmlui/handle/123456789/354
Aparece nas coleções:Livros



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.